Existe uma definição científica para "Design"?

Parece uma afirmação estapafúrdia, mas para dois acadêmicos da Universidade British Columbia, no Canadá isso é motivo para uma tese de defesa de mestrado. Será que eles tiveram sucesso?

O que é o design? O que o torna diferente da arte, ciência ou engenharia? Nós, designers pensamos dezenas de vezes por dia o que é ou não é "design". É uma análise subjetiva ou uma definição formal? O famoso designer de móveis Charles Eames deu uma série de respostas para esta questão em 1972 (vídeo abaixo). Agora, um par de acadêmicos canadenses tomaram o caminho oposto: Eles tentaram formular analiticamente uma definição rigorosa de um "conceito de design." Será que devemos levar a sério?

Paul Ralph estava preparando sua dissertação de doutorado sobre "a natureza do design de software", (clique para ler a tese na íntegra) quando seu orientador de tese, Yair Wand, sugeriu que ele "definisse claramente o que entende por projeto, e que era uma boa maneira de começar". Com uma graduação em ciência da computação ele ficou frustrado pois nenhum dos cursos de 'design' tinha nada a ver com projeto. Designers em muitas disciplinas, especialmente no desenvolvimento de software, sofrem de equívocos comuns sobre a natureza do seu trabalho, e explorar o significado do design pode ajudar.

A tese de Ralph é de leitura densa, porque combate de frente pressupostos comuns sobre o que a prática do design é. Um levantamento inicial da literatura acadêmica mostrou que "design" pode envolver qualquer otimização de processos e identificação de requisitos para a criação de artefatos a análise de sistemas. Depois de peneirar e criticar todo esse pensamento confuso, os autores chegaram à seguinte definição:

DESIGN: (substantivo) é a especificação de um objeto, que se manifesta por algum agente, que visa atingir os objetivos, em um ambiente particular, usando um conjunto de componentes primários, satisfazendo um conjunto de requisitos, sujeitos a algumas restrições.

Isso soa meio sem nexo, mas cada pedaço dessa definição foi cuidadosamente escolhida para incluir certas coisas e excluir outras. Por exemplo, "especificação de um objetivo" significa que a saída do "design" não é necessariamente uma coisa física, embora possa ser, e é, no entanto, sempre "uma descrição detalhada de um objeto, em termos da sua estrutura, componentes utilizados e as suas conexões. Isso quase chega ao âmago do "design" em si.

Os outros conceitos como "componentes primitivos" (os materiais físicos básicos ou elementos abstratos de que um projeto é constituído) e "Meio Ambiente" (um projeto situa-se sempre em um contexto específico) também são dignos de nota. Mas e o design de moda, que muitas vezes só tem "objetivos" no sentido estético, se qualifica nesta seara? E na gastronomia? Será um prato novo desenvolvido por um chef pode ser considerado um “projeto de design"?

E, no final, o que é bom? "Designers não precisam de uma definição clara de um projeto para serem eficazes, assim como a mecânica não precisa de uma definição clara de motor", Ralph admite. Provavelmente a definição formal e científica só será utilizada por pesquisadores que estudam design. Não será nem ruim nem inútil, assim como conceitos acadêmicos de sociologia e antropologia também não o são.

Curiosamente, Ralph e Wand tinham a intenção de que sua definição fosse útil "no mundo real" para os designers de software. Os desenvolvedores muitas vezes são consultados para estimarem o custo de desenvolvimento de um sistema, mas as estimativas são muitas vezes imprecisas. "A definição [do projeto] por exemplo, é útil para os desenvolvedores, para explicar por que não podem fornecer estimativas mais precisas, ou seja, o meio ambiente, objetivos, requisitos, restrições, ou os recursos primários não são claros no momento em que a estimativa de custo é necessária. Em outras palavras, a construção de softwares não é como a construção de pontes.

Ralph e Wand admitem plenamente que a definição proposta não é, assim, definitiva... É uma experiência útil? Acho que sim. De qualquer forma, a definição de projeto de design pode ser considerada fundamentalmente quixotesca e vaga, mas, se alguém é capaz de apreciar seu valor intrínseco, este alguém é o designer.

E você, o que acha deste estudo mais formal da nossa atividade? Acredita que vai ajudar a identificar melhor o papel do designer? Comente!

Posted on July 9, 2013 .