As marcas de hoje são diferentes... Elas entendem que a era da comunicação unilateral e do pensamento linear, cartesiano, ficaram no passado. Sabem que nos dias atuais os negócios bem sucedidos são baseados em interações sociais, e que as marcas que dialogam, dão voz e criam laços fortes com seus consumidores adquirem legiões de fãs.

Philip Kotler, lendário papa do marketing moderno; afirma que no cenário atual as marcas que se tornam bem sucedidas deixam de ser propriedade da empresa e passam a ser de seus consumidores, e a missão da marca passa então a ser assumida por eles também.

manifesto.jpg

Somos dioturnamente bombardeados com informações, estímulos visuais, slogans e vinhetas; numa atmosfera onde as marcas gritam em vozes inúmeras, mas escutadas por poucos... Vivemos uma era onde relevância, significado e propósito são essenciais na construção de marcas fortes. Onde o capital de percepção intelectual e a atuação estratégica nos mercados alimenta e legitima sua imagem frente a stakeholders e clientes, num processo cíclico e constante.

Construímos marcas com viés holístico, ou seja, marcas que analisam não só os tradicionais pontos de contato com os consumidores, mas também consideram todo um espectro socioeconômico, humano, político e ambiental onde estão inseridas, cobrindo diversas nuances e variáveis. Com isso, possuem mais subsídios para tomadas de decisão acertadas e estratégicas, criando e agregando valor em todas as fases do ciclo de reputação de marca.

Empresas e marcas que alinham o discurso à prática são mais relevantes, interagem mais e criam um vínculo legítimo com a sociedade.

Lutamos por marcas que são muito mais do que simples logotipos. Afinal, marcas são conversações, expressões e estilos de vida!